The Pyramid at the End of the World – Review do sétimo episódio de Doctor Who

Calista/ Maio 29, 2017/ Reviews, Séries e TV/ 0 comentários

Preparado para os spoilers????

Já no início do episódio uma coisa ficou bem clara pra mim, que eu tinha minhas dúvidas no episódio anterior, toda a parte do episódio que fala do Veritas foi dentro da simulação, somente quando o Doctor estava na frente do cofre relembrando o que aconteceu com a Missy é que se passa na realidade. E ele contou tudo da simulação para a Bill.

Agora uma coisa muito séria, eu não queria ter esse Doctor como amigo não, caracas, segunda vez que a Bill tem um primeiro encontro com a Penny e a segunda vez que o Doctor estraga esse primeiro encontro. Tá, dessa vez não foi de maneira direta, mas só o fato dele ser turrão já faz com que o encontro seja estragado.

E quando o Secretário Geral da ONU chega na sala eu só consegui gritar uma coisa “CADE A UNIT????” Moffat, por que a UNIT não está metida nessa confusão???? Será que a Jemma Redgrave não quis participar dessa vez? Procurei pra ver se achava algo sobre isso mas não vi nada. E sinceramente a UNIT fez muita falta no episódio. Tá bom que ela seria só mais uma força militar ali no meio e a Inglaterra não tem lá muita relevância geopolítica no cenário atual, mas gostaria muito mesmo de ver a Kate Lethbridge-Stewart lidando com os monges.

Óbvio que pelo nome do episódio e pelo Next Time da semana passada já tínhamos uma ideia de que a pirâmide estava em um local que não deveria. E ela está no país fictício do Turmezistão, que já havia sido mostrado em  The Zygon Invasion, entre 3 exércitos que provavelmente estão se preparando pra alguma guerra. Acho que a única parte aqui que se mostra relevante é o fato do episódio se passar no Turmezistão, porque eu adoro as referências internas de Doctor Who.

Mais uma vez o episódio está em dois planos, o problema da pirâmide e o que se passa no laboratório, que pra mim foi um mistério até eles falarem com todas as letras o que se passava ali (sim, eu sou muito lerda as vezes, quase na maioria das vezes, mas não contem pra ninguém). E antes que eu me esqueça, ERICA PRA COMPANION!!! Amei a personagem dela, corajosa, forte, daria uma ótima companion.

E continua a minha dúvida, como a Bill é tão esperta e não consegue perceber que o Doctor está cego, sério, acho que ela que tá mais cega ai, não sei se é porque sabemos da cegueira dele, mas, pra mim, ele faz umas coisas tão óbvias, como fazer o Nardole relatar pra ele o que está acontecendo quando ele vai entrar na pirâmide, que fica difícil aceitar que a Bill ainda não sacou.

Os monges deixam claro que vão colocar o mundo em perigo para que a população peça ajuda para eles e obviamente como a pirâmide está no meio de três tropas, são elas que vão causar o problema. O sinal do fim do mundo é o Downsday Clock, que vai parar nos relógios de todas as pessoas do mundo. E mesmo depois do Doctor intermediar a paz entre esses três exércitos nada muda no relógio.

Daí em diante o episódio é uma corrida contra o tempo para descobrir o que é que irá causar o fim do mundo e parar esse fim de mundo, antes de ter que pedir ajuda para os monges. Os monges falam que somente um consentimento por amor será efetivo para que eles dominem o mundo. O Secretário Geral tenta consentir e vira pó, os generais dos três exércitos tentam consentir e viram pó também. A espada está no pescoço da humanidade mas o Doctor não desiste de buscar uma solução para não pedir a ajuda dos monges e não submeter o planeta ao domínio deles. E é só quando o Doctor tá realmente descobrindo o que vai causar o fim do mundo que eu entendi o porquê daquelas cenas no laboratório (não vale xingar, já falei que sou lerda).

Aí o alívio né, pronto, o Doctor vai novamente salvar o mundo com seu plano mirabolante. Corre com a TARDIS e o Nardole pro laboratório e descobre que a única solução é explodir tudo. Super fácil pro Doctor e ele fica de papo com a Bill, que ficou lá na pirâmide, pra ela controlar os babacas dos generais, o que não funciona mundo né, já que eles morrem. Quando falta pouco mais de um minuto pra bomba explodir descobrimos que o Doctor está preso no laboratório e ele só precisa da visão pra poder sair de lá, e claro o Nardole está desmaiado na TARDIS, semi morto. Ferrou, o que parecia tão fácil, em questão de segundo deixa de ser. Que droga! Nesse momento o Doctor fala com a Bill e confessa que está cego e preso no laboratório. Grrrrrrrrr! Só agora Bill??? Sério? E gente, esses dois nunca ouviram falar de facetime?? Era só ele ligar a câmera e ela do celular dela veria os números e ajudaria ele. Nem parece que o episódio se passa no século XXI. Me deu muita raiva mesmo, mas sabemos que isso é necessário para o encerramento do arco na próxima semana.

Mas alguns questionamentos ficaram, será que se a bomba explodisse com o Doctor dentro da sala ele iria regenerar? Será que se a Bill soubesse da regeneração ela iria dar o consentimento para os monges? E a TARDIS só aciona uns protocolos de segurança quando é do interesse dela né, de vez em quando ela quer mais é ver o circo pegar fogo. Custava ter ligado um exaustor pra eliminar a bactéria e fazer o Nardole acordar pra ajudar o Doctor??

Antes de encerrar tenho só mais uma coisa, mas isso é um super spoiler do próximo episódio, então se você não quer saber pode parar por aqui e ir ouvir o Corta que tá bom demais.

.

.

.

.

.

.

.

Enquanto eu procurava a imagem que ilustra esse post eu vi a foto da regeneração que aparece no trailer da temporada e quando eu comparei com o Next Time, buuummmmm (esse foi meu cérebro explodindo), a cena é desse episódio (onde estão os emojis quando eu preciso deles???)!! Caracas, mas como assim?? O próximo Doctor nem foi anunciado, provavelmente só no fim da temporada (pra gente ficar doidos até o episódio de Natal) e nem temos a “mãozinha” do Tennant pra ele se regenerar e ficar com o mesmo corpo. Olha esse episódio me trouxe mais perguntas que respostas, mas eu to gostando demais!

Então até semana que vem com a Bill atirando no Doctor!

Allons-y