The Lie of the Land – Review do oitavo episódio de Doctor Who

Se preparem pra muitos spoilers!!!

Tem mais de 24 horas que assisti esse episódio e estou limpando meu cérebro do teto até agora!!! Chocada, como o Moffat pode fazer isso com a gente assim? E olha que nem é dele esse roteiro, mas juro pra vocês, odiei o Moffat com todas as minhas forças ontem. Bom mas vamos aos fatos pra vocês entenderam meu ódio.

Quando o episódio começou eu jurei que os Monges tinham resetado a história da Terra ou que, realmente eles estavam aqui desde sempre (tipo os Silence) e só agora estavam mostrando sua cara pra todo mundo ver. E que reviravolta perceber que na verdade eles transformaram o mundo em um verdadeiro 1984, tudo ali lembra o livro, desde eles reescrevendo a história, os uniformes iguais, a polícia da memória, até uma televisão que mostra só o que o “governo” permite. E falando em TV, quem reparou na loja da Magpie Electricals??? Pra quem não lembra, é a mesma marca de televisores do episódio “The Idiot’s Lantern”. Adoro referencias sutis assim.

Também preciso retirar tudo o que disse sobre o Nardole até aqui. Ele cresceu demais ao longo da temporada, está sendo um alívio cômico excelente, sem parecer muito idiota. Na verdade ele é o idiota de conveniência, quando é preciso ele se faz de bobo e a dupla com a Bill ficou realmente muito boa. Na verdade o trio tá excelente, os atores estão com uma química muito legal, uma pena que o Capaldi já sinalizou que sairá, sinceramente assistiria mais uma temporada com os 3 (e espero não queimar minha língua mais pra frente).

Agora que já assoprei um pouco preciso destilar toda a minha raiva quanto a esse episódio. QUE PUTA FALTA DE SACANAGEM UMA REGENERAÇÃO FALSA!!!!!!!!!! Passei a semana conjecturando como seria, que solução iriam dar pro Doctor regenerar no meio da temporada e ficar ele mesmo, sem a mãozinha do Tennant e me vem o roteiro com uma regeneração falsa pra acabar comigo. Se eu fosse a Bill tinha descido a porrada não só no Nardole, mas no Doctor também, crueldade tem limites.

Mais um ponto a ser colocado aqui, Missy: quem acredita na bondade dela? Não consigo crer. Vi pouco do Master, só o John Simm e a Michelle Gomez, mas o pouco que vi não me convence esse altruísmo todo não, parece pouco condizente com o personagem o arrependimento. E mesmo em todo o seu arrependimento ela é cínica, mordaz, irônica. E pudemos entender que o Doctor está tentando com que ela mude, com que ela seja uma Time Lady melhor (tenho que confessar que não gostei do Doctor chamando a Missy de Time Lord).

A solução do episódio mais uma vez é fácil, simples, mas como envolve perder a companion, ela está fora dos planos do Doctor. Ri demais com o Doctor pensando em mudar um “pouquinho” a cabeça dos seres humanos, acabar com o racismo, com pessoas que falam do cinema (porque você não conseguiu Doctor, porque?). E como esse Doctor é arrogante, bom não que os outros não sejam, mas ele joga isso na sua cara e faz você gostar disso. Mais uma vez aqui lamento a saída do Capaldi, essa arrogância fará muita falta.

Só mais uma reclamação do episódio, juro: PORRA DOCTOR! VOCÊ NUNCA OUVIU FALAR EM MP3 NÃO? USAR FITA K-7 EM PLENO SÉCULO XXI? Tá pode se ter milhares de argumentos, mas mesmo assim não tem explicação, vou continuar com meu ódio.

Como anda sendo praxe nessa temporada, as soluções dos episódios nunca saem muito bem como o Doctor planejou e acaba que a Bill que salva o planeta e por mais que eu goste da Bill, como disse uma amiga minha, faltou uma sequela aí nessa história e faltou coragem pro roteirista. Bom, coragem pra por uma regeneração falsa ele teve, mas coragem pra deixar a Bill com alguma sequela de entrar em uma mente tão poderosa não? Tá bom que tanto a Rose, quanto a Donna, entraram em contato com o vórtice do tempo ou com a energia da regeneração, mas não vejo a Bill entrando em contato com algo tão mais simples não. Talvez isso seja um gancho para o que vem mais pro fim da temporada e espero sinceramente que isso afete a Bill de alguma forma. E não, não to desejando a morte da companion, mas como uma simples mortal pode resistir a tamanha energia só com uma lembrança inventada.

Segurei as lágrimas no final quando o Doctor diz que entre 7 bilhões de pessoas existe alguém como a Bill, o que faz com que ele tolere o restante.

Mais uma vez vemos a Missy arrependida, no que pra mim é só mais uma cena pra que o Doctor a liberte. Mas vamos aguardar né, faltam 4 episódios para o fim da temporada e ainda temos o John Simm pra ver.

O Next Time não trouxe nada de interessante, apenas reptilianos em Marte.

Até semana que vem pessoal, isso se um crocodilo marciano não me fizer de jantar antes.

Allons-y!

%d blogueiros gostam disto: