Starters e Enders – Vale a pena ler?

“Corpinho de 20, mente de 90” (literalmente).

Não é incomum a qualquer bom leitor ganhar um exemplar que até então desconhecia, ou não esperava, e seja pelo motivo que for, acabar abandonando-o nas prateleiras. Isso aconteceu comigo com um livro pouco comentado chamado Starters – como não havia ouvido falar da história e não tive o interesse de pesquisar na época, acabei adiando a leitura por quatro anos (pois é). Hoje vejo o quanto errei em não ter dado uma chance ao livro logo de cara, ele se tornou um dos meus favoritos de distopia.

Sempre gostei de livros distópicos. Não pelo sofrimento no qual os personagens sempre se encontram, mas sim pela coragem em enfrentar todas dificuldades que aparecem e Callie Woodland, uma jovem de 16 anos e personagem principal da trama, entende disso muito bem. A história se passa no futuro, onde já existem telas flutuantes de hologramas, roupas com exibição em led, medicina avançada e outras peripécias high-tech. Mas nem tudo são flores neste futuro: uma guerra separou as nações e uma terrível arma biológica foi lançada – seus esporos contaminaram o ar e mataram praticamente todos que possuíam mais de 20 e menos de 90 anos. Aos jovens sobreviventes foi atribuído o apelido “starters” e os idosos passaram a se chamar de “enders” que com o auxílio da tecnologia medicinal da época, elevaram sua média de vida à mais de 200 anos, sempre ostentando seus cabelos brancos como um triunfo de experiência e vitória perante a guerra.

Como consequência da devastação dos esporos, inúmeros jovens como Callie ficaram órfãos e para escapar do encarceramento em instituições governamentais, passaram a viver como nômades nas ruas, levando vidas marginais e lutando para conseguir o mínimo de comida para sobreviver. Para a maioria dos enders a realidade cruel dos starters é irrelevante e não há praticamente nenhuma maneira desses jovens voltarem a se integrar a sociedade. Ao menos na teoria.

É aí que surge uma empresa chamada “Prime Destinations” onde tecnologia de ponta foi utilizada para criar um sistema de aluguel de corpos – startes interessados em ganhar uma boa quantia em dinheiro, podem ir à instituição e literalmente colocar seus corpos para aluguel. Ao assinar um contrato, o starter passa por um procedimento de limpeza e embelezamento, a seguir uma foto sua é tirada e posta num catálogo virtual – que logo é exibido aos enders cadastrados para que um inquilino em potencial apareça. Logo então, o starter escolhido é submetido a um procedimento cirúrgico no qual um chip é instalado no centro do seu cérebro, para que seu corpo possa ser remotamente acessado e controlado pelo seu ender comprador. O jovem e o idoso em questão são colocados para dormir e a troca de corpos se inicia – enquanto a consciência do starter fica em suspensão pelo período integral do aluguel (como se estivesse dormindo), o ender desperta em seu corpo e pode se utilizar da maravilha de estar fisicamente jovem novamente pelo tempo combinado. Se um ender deseja passar uma semana de aventuras esquiando, por exemplo, mas seus 200 anos não o permite, basta alugar um corpinho de um jovem de 20 para poder aproveitar tal semana como realmente desejaria. É lógico que esse banco de corpos não é algo muito ético e a Prime Destinations mantém-se oculta, divulgada apenas entre os enders ricos o suficientes para alugar algum corpo ou clandestinamente pelas ruas, entre os starters desesperados por algum dinheiro. E é justamente o dinheiro, a chance tentadora de conseguir um teto e uma vida melhor melhor para si mesma e para seu irmãozinho doente que levam Callie a buscar os serviços da intrigante empresa. E é lógico que tudo vai muito bem, até algo dar completamente errado, e é aí que a trama se engata.

O restante da história se desenrola de maneira prática e estimulante, é uma leitura que sempre nos incentiva a continuar. As reviravoltas são surpreendentes e muitas críticas à sociedade são levantadas entre as páginas – discrepâncias sociais, a importância que damos ao exterior versus o peso do que somos por dentro são alguns exemplos. Gostei tanto da história que logo após terminar Starters, comprei o segundo e último livro da saga: Enders – que mantém o sabor do primeiro, dando uma continuidade fluída à história e um final repleto de revelações arrebatadoras e inesperadas. É uma ótima leitura, que vale muito a pena. Sinceramente não sei como ainda não pensaram em adaptar toda saga para as telonas do cinema, mas quem sabe logo não vemos isso acontecer.

Título: Starters / Enders Autor: Lissa Price Editora: Novo Conceito Gênero: Distopia, ficção científica

%d blogueiros gostam disto: