[Review] Onde Está Segunda? – Produção Netflix

Tecnicamente, não são tão fã de filmes como de livros, series e quadrinhos, mas sempre aprecio uma boa história independentemente de onde ela seja mostrada. Em questão a ficções cientificas, em especial em filmes, sempre me fazem levar a pergunta do “e se”. Sabem do que estou falando: E se essa realidade fosse real, como eu agiria? E esse tipo de filmes sempre me fazem refletir e isso eu gosto bastante numa história.

Lançado pela Netflix na última sexta-feira, Onde Está Segunda? Nos leva a um futuro quase que distante onde os humanos consumiram muitos dos recursos naturais da Terra e mesmo achando uma alternativa onde conseguem criar alimentos em laboratório, acabam criando um efeito colateral, o aumento absurdo de bebes nascidos numa única gravidez. No caso, vivemos num mundo onde temos uma superpopulação com alimentos criados nos laboratórios que tiveram um efeito colateral de aumentar a gravidez das mulheres numa única gestação, que coisa boa, não acha?

Nossa história começa com um pai perdendo a própria filha numa gestação de risco – claro que dar à luz a sete gêmeas não seria a coisa mais comum do mundo para uma mãe – e sem saber da identidade do pai, decide criar as netas como se fosse as próprias filhas. Num mundo onde políticas de filho único foram implantadas pela política Nicolette Cayman e todos os irmãos que vieram depois do primogênito são criogenizados, Terrence Setmann nomeia suas filhas com nomes que vão com cada um dos dias da semana, mas todas compartilhando a única identidade de Karen Setmann. Sendo assim, a criança de domingo poderá ser Karen Setmann no domingo e assim por diante.

A trama começa com trinta anos se passando desde o nascimento das gemes Setmann e tendo êxito até a idade adulta em viver em completo segredo e compartilhando a mesma identidade de seu avatar nos dias da semana em questão. As coisas começam a dar errado após a gêmea Segunda Setmann desaparecer após ter ganhado uma promoção no trabalho. Preocupadas com o que havia acontecido com a irmã e com medo de que o segredo pudesse vir à toa, as gêmeas decidem seguir a vida de Karen Settman como se fosse um dia normal como qualquer outro enquanto Terça Setmann vai em busca de pistas da localização da irmã.

Uma cena bem interessante na história é quando uma das gêmeas escapa para andar de skate na rua e volta para casa após tanta preocupação do seu avô com o dedo pendurado. Para manter o segredo ainda intacto, ele corta a ponta do indicador das demais gêmeas.

Fico admirado com a capacidade do Netflix de criar obras originais tão boas, e isso se dá pelo fato também de não restringir idades em seus filmes. Um filme com um certo grau de violência terá um certo grau de violência a mais comparado aos cinemas. E a performance de Noomi Rapace em dar a vida a sete personagens distintas num único filme é certamente invejado.

Certamente um filme que vale muito a pena ser conferido, pois a trama é bem eletrizante em certos momentos e dramática em outros, sabendo expressar o estilo no momento certo.