Knock Knock – Review do quarto episódio de Doctor Who

Contém spoilers, mas dessa vez prometo que foi pouco. 

E veio um episódio de terror bem no início da temporada e eu estava esperando tão pouco desse episódio, que até que gostei dele.
Ver a vida da Bill, perceber, que assim como a Clara ela não tem sua vida girando em torno do Doctor é bom demais. Muito pelo contrário, ela até quer evitar que os amigos a vejam perto dele, afinal de contas ele é um professor da faculdade onde ela vai estudar.
E quantos clichês de filmes de terror temos nesse episódio. O espertão que vai sozinho, o máximo de insinuação de sexo que veremos em Doctor Who, a menina desesperada… E mesmo assim foi bem legal.
Estou achando fantástica as cenas da Bill interagindo com o Doctor e descobrindo coisas sobre ele e sobre a Tardis, coisas que a gente especula, que o fandon fica debatendo e agora ouvir da boca do Doctor é ótimo. Como quando ele fala que quase não precisa dormir. E no momento que ele fala de regeneração eu senti que ele sabe que a dele está próxima, e vou dar meu palpite (que não vale absolutamente nada), acredito que a regeneração tenha a ver com quem está no cofre. E como eu ri quando o Doctor fica dando uma lição de moral sobre como a Tardis funciona, mas no fim pede o código postal para ir pra nova casa da Bill.
Voltando a falar da insistência da Bill em se manter longe do Doctor, eu a entendi, pois ela veio praticamente de 3 aventuras seguidas e queria muito ter um momento “normal”, sem alienígenas e viagens no tempo.
E que fantástico fazer com que apesar dos alienígenas em forma de “tatuzinhos” (rolei de rir com essa também), o verdadeiro vilão do episódio fosse o Senhorio da casa.
Quando o mistério do episódio começa a ser solucionado eu achei que o Senhorio, seria mostrado como um alienígena também, que tinha roubado o corpo do pai da Eliza. Foi uma sacada de mestre descobrir que na verdade ele era o filho da Eliza, que estava com medo de perder a mãe e viu naquelas criaturas uma maneira dela viver mais. E mais uma vez o crédito vai pra Bill, que companion, a cada dia que passa estou mais apaixonada.
Ah mas que soluçãozinha mequetrefe quando a Eliza decide que não pode continuar devorando pessoas pra se manter viva os amigos da Bill voltam a vida. E os outros?? Ou voltava todo mundo ou não voltava ninguém. Achei uma solução muito fácil e muito final feliz.
Adorei o visual do episódio e principalmente o visual “amadeirado” da Eliza, ficou muito bonito.
De novo o episódio não tem nenhuma ligação com o mistério da temporada e só vemos o cofre no fim do episódio. Achei que o Nardole ia abrir o cofre e ia acontecer algo, mas o Doctor chega e manda ele embora. Mas aí que vem o choque total, começa a tocar um piano, então temos a certeza que dentro do cofre tem alguém (tá bom que o episódio passado não deixou dúvidas, mas acho que se alguém ainda tinha algum questionamento sobre isso tá ai a resposta) e o Doctor conversa com essa pessoa e entre no cofre e o episódio acaba!!!! Como assim?????? Que terror esperar mais uma semana pra ver só mais um pedacinho desse cofre.
Acho que o episódio da próxima semana será muito mais interessante e muito mais ligado ao mistério da temporada, já que estamos rumando para a metade dela e por consequência a regeneração do Capaldi.
Nos vemos na semana que vem em alguma estação espacial por ai!
Allons-y

%d blogueiros gostam disto: